Caia no mundo com planejamento! Confira a mochila e as roupas ideais para fazer um mochilão prático e seguro, por João Henrique

Desapegue e viva a vida de forma prática! Essa é a principal lição de um mochileiro que já percorreu a América do Sul, do Norte e a Europa.  Joao Henrique Moldenhauer percorreu vários destinos com uma mochila nas costas e várias ideias na cabeça: viver novas experiências e descobrir todas as possibilidades que o mundo tem a oferecer.

Despois dessa longa expedição, que durou pouco mais de um ano, João criou o Blog Mundo Vira-lata e ajuda turistas como nós a realizar de forma prática o sonhado mochilão. Vamos com ele?

O que levar em sua mochila?

“Desde que comecei a mochilar, seja somente durante minhas férias ou por longos períodos, o fatídico dia de preparar a mochila é um dos mais complicados. Encaro a escolha da bagagem como a primeira grande provação que uma viagem nesse estilo exige e proporciona: o desapego”, afirma João.

Mas, antes de tudo, temos que escolher a mochila…

O grande parceiro de um mochileiro com certeza é sua mochila, que como tal tem que condizer com suas necessidades. “Desde 2009 já viajei com vários tipos e hoje tenho algumas preferências pessoais”, comenta e indica:

Abertura frontal: Uma mochila com zíper frontal facilita sua vida na hora de pegar algo que precisa. As mochilas “estilo saco” só tem a abertura superior e é frustrante perceber que justamente o que você precisa está lá no fundo. E como Murphy já dizia….vai sempre estar lá.

Bolsos segmentados: Facilita na hora de organizar a mochila. É bem pratico saber sempre onde estão as roupas e onde está o resto.

Mochilinha “de guerra”: Além do seu mochilão, sempre pense em uma mochila para carregar no seu dia a dia. Aquela para carregar a câmera, o protetor, a garrafinha de água e mais alguma coisinha que precise enquanto visita seu destino. Muitas mochilas grandes já vêm com sua mochilinha acoplada.

Alças acolchoadas, cinta de sustentação e possibilidade de ajuste da altura: Seus ombros vão agradecer o conforto desse tipo de alça e o peso que é distribuído para a cintura com a cinta. A possibilidade de ajustar a altura da alça de acordo com seu biotipo também previne erros posturais por conta do peso. Algumas  mochilas também tem uma cinta peitoral e esse é o a principal diferença entre as ditas “masculinas” e “femininas”. Preste atenção pois as femininas tem o cinto um pouco mais abaixo para que não aperte os seios .

Armações internas: Ajudam na postura e junto com o ajuste correto das ombreiras previnem que sua postura fique errada com o peso da mochila.

Não se preocupe com convenções sociais: Se mochilar fosse só substituir sua malinha de rodinhas por uma mochila seria fácil, todo mundo iria preferir esse tipo de viagem. E adeus aos hotéis!

Viajar de mochila exige também se conhecer (ou começar a), ter um desapego não só material, mas também comportamental. É acreditar mais em si. Literalmente esquecer sobre o que os outros pensariam sobre você. Seja por estar de cabelo grande, descabelado, de barba mal feita ou sem maquiagem ou por estar com a mesma roupa quase todo dia. Qualquer peça é um peso a mais e menos espaço para alguns souvenirs que (certamente) você vai comprar por ai.

Esqueça o “talvez” e trabalhe com a certeza. Na mochila não há espaço para levar aquela calça que “talvez” em uma situação específica combine com aquela blusinha ou o casaquinho que “pode ser” que combine com a sapatilha em alguma festa na praia. Praticidade e objetividade são as palavras de ordem. Sabe aquela roupa querida que você adora mas só serve para usar numa situação específica? Tire férias dela também. Sapato de salto? Você fica melhor com sua bota de trekking, vai por mim.

FAZENDO AS MALAS: Ok ok. Já desapeguei e tirei minha roupa preferida da mochila, mas o que devo levar??

“Já conheci viajantes que carregavam metade do que eu tinha e outros com quase o dobro. Mas ai vai uma listinha básica que fiz assim que comecei minha viagem a 1 ano atrás’’, João indica as seguintes peças:

  • 5 camisetas (Entre essas 5 peças entram blusinhas, camisas, polos, etc…escolha algo que possa utilizar tanto no seu dia a dia como a noite. Roupas leves, compactas e de tecidos de secagem rápida são ideais.)
  • 2 bermudas (uma casual, para esportes, trekking, caminhadas e outra para sair)
  • 2 calças (Se possível evite jeans. Ocupam muito espaço, são pesadas e demoram a secar.). Calças de trekking que podem virar bermuda dão uma flexibilidade maior.
  • 5 cuecas/calcinhas (você não vai precisar de mais que isso, pode ir lavando no banho todo dia e por mais úmido que seja uma roupa íntima não vai demorar mais que 5 dias para secar.). Prefira de algodão, pois caminhadas longas e diárias (ainda mais em lugares quentes) com tecidos sintéticos podem irritar a pele.
  • 5 pares de meia (mesmo esquema das roupas íntimas)
  • 1 roupa de banho (bikini, sunga, bermuda ou maiô)
  • 1 toalha compacta esportiva, daquelas super absorventes, que secam rápido e ocupam pouco espaço. Toalhas normais nem pensar, vão ocupar metade da sua mochila. Você encontra em lojas de equipamento esportivo.
  • 1 casaco leve e um pesado (caso vá para algum lugar que possa fazer frio. Prefira casacos leves e fuja de tecidos como lã ou jeans pois pesam, ocupam muito espaço e demoram a secar)
  • 1 botas de trekking (caso seja o tipo de viajante que curte trilhas) ou um tênis de caminhada/corrida (para cenários mais urbanos) e 1 par de chinelos ou de sandálias.
  • Não tenho experiência com sutiãs, porém em poucas conversas com meninas em que cruzei por aí vi que é uma tendência evitar bojos e dar preferencia a tops, que são mais compactos e dão uma boa sustentação. (as leitoras podem sugerir algo mais nos comentários, J)
  • Segunda pele. Caso vá para algum lugar que possa fazer muito frio uma segunda pele é essencial, esse tipo de roupa se encontra fácil e com preço acessível em lojas de esportes. Um par de meias mais grossas, luvas e touca também é uma boa.

Com isso você já estará preparado para praticamente todas as situações em uma viagem.

Fora as roupas, o que mais posso incluir na lista?

“No meu nécessaire o indispensável sempre foi”:

  • Sabonete (é melhor o sabonete sólido, que ocupa menos espaço e pode ser carregado dentro de uma saboneteira)
  • Shampoo (em frascos pequenos, caso precise usar condicionador pode levar também em frascos pequenos ou encontrar daqueles combos shampoo/condicionador no mesmo produto)
  • Protetor solar (importantíssimo já que você provavelmente vai estar exposto ao sol durante boa parte do dias)
  • Desodorante (os roll-ons são melhores por serem menores e não são inflamáveis/explosivos)
  • Perfume (até os mochileiros querem estar cheirosos né?)
  • Camisinhas (durante esse tipo de viagem você conhece muita gente e como todos estão no mesmo barco a probabilidade de romances tão intensos quanto curtos é bem grande. Por mais intenso que seja você não conhece sua parceira(o), é bom se cuidar)

“Em uma viagem de férias acho que isso é mais que suficiente. Mas caso você queira se lançar no mundo a longo prazo, inclua mais alguns itens”, acrescenta:

  • Aparelho de barbear elétrico. É bom para deixar a barba em dia e ainda pode se usar para aparar outros pelos do corpo.
  • Cortador de unha.
  • Para as mulheres: Muitas viajantes recomendam o uso de OB ou coletor menstrual. Você vai caminhar e suar muito, o absorvente normal pode ficar desconfortável, além de ocupar mais espaço.

Outra dica importante para as mulheres: Secador de cabelo e chapinha não são itens indispensáveis. É recomendável não levar e treinar o desapego. Outra preocupação feminina é quanto a depilação. Caso sua viagem seja de férias uma sessão antes resolve. Caso vá tirar um período sabático vale investir no laser.

Ninguém quer passar uns dias na cama (ou no banheiro) durante a viagem, como prevenir?

Às vezes nosso corpo não está acostumado e reage mal a um tempero diferente ou até ao tratamento da água. Ai surge uma dor de barriga, de cabeça, uma febre e alguns dias no banheiro até que o corpo se acostume.

“Além de seus medicamentos rotineiros, um analgésico, remédio para diarreia, um sal de fruta para má digestão, um antiinflamatório e um relaxante muscular podem salvar seus dias em terras estrangeiras. São remédios que não necessitam de prescrição médica e tampouco exige algum procedimento especial de entrada em algum país. E dependendo do local onde você estará pode ser bem complicado de encontrar um equivalente na farmácia. Seja por necessitar de receita médica, por desconhecimento da língua ou até por perigo de comprar medicamentos falsos.”, comenta.

“Um termômetro eletrônico também já me ajudou em algumas ocasiões. Não leve aqueles de vidro de mercúrio, pois é um metal pesado muito tóxico e é muito fácil que uma hora o vidro se rompa na mochila.”, acrescenta.

Ainda, caso você seja mais aventureiro, um rolinho de gaze, esparadrapo e um antisséptico podem ajudar muito na hora de pequenas torções ou cortes.

Aliás, é importante incluir o seguro viagem no seu Mochilão, se ocorrer algum imprevisto você tem a quem recorrer, com atendimento 24h e em português.

Cote seu seguro viagem com desconto

E para finalizar…João não esquece de nada, veja:

Estamos cada vez mais tecnológicos e claro que documentar e compartilhar a viagem é importante. Então uma câmera a tiracolo e seu celular serão bem vindos no dia a dia. “No meu blog fiz um artigo sobre os apps que mais utilizo para cada situação”.

Dependendo do país você pode encontrar problemas para recarregar a bateria dos seus gadgets (aparelhos móveis, como celular e tablet). Um adaptador universal é uma mão na roda para plugar, independente do país. Você pode achar na internet ou em alguma loja de eletrônicos.

Se gosta de ler, recomendo um kindle ou semelhantes. Esses leitores eletrônicos são leves, consomem muito pouca bateria e podem comportar centenas de livros sem pesar na mochila.

Cadeados são importantes para trancar os armários dos hostels, sua barraca no camping ou sua mochila quando precisar despachá-la no aeroporto.

Para os mochileiros que curtem natureza uma boa barraca, saco de dormir e um colchonete de ar (ou somente uma capa térmica para botar no chão) podem abrir possibilidades de pernoite em lugares incríveis e ainda economizar uma grana.

“Bom gente, acho que consegui detalhar ao máximo tudo e mais um pouco sobre o que pensei ao montar minha mochila. Depois de um ano de estrada já tirei e coloquei muita coisa nela. Caso tenham outras dúvidas ou sugestões podem escrever nos comentários e se quiserem acompanhar um pouco da minha jornada basta me seguir no Mundo Vira Lata.

Boa viagem!

#ParaOndeFor leve o seguro viagem e fique protegido a qualquer hora em qualquer lugar. Clique aqui e contrate o seu. Aproveite sempre os descontos exclusivos para leitores do Blog. 

Fotos: João Henrique Moldenhauer

Juliana Fernanda

Juliana Fernanda dos Santos Ferreira, jornalista pós-graduada em Comunicação Corporativa. Adoro novidades com conteúdo. Passear em família é a melhor programação, afinal todo lugar tem algo a se aproveitar e em boa companhia tudo fica ainda melhor.

COMENTÁRIOS