Nazca, no Peru, esconde histórias ainda mal contadas. Que tal conhecê-las?

O Peru como um todo é um excelente destino para quem gosta de conhecer histórias de povos antigos. O País oferece vários roteiros e curiosidades dos antepassados, com paisagens interessantes e atividades para se aventurar. Um desses lugares é a cidade de Nazca, localizada na região de Ica, na costa sul do Peru.

Leia também: Peru: Roteiro no deserto de Huacachina

Tudo começou há séculos atrás, mais precisamente entre os anos 100 a 800 a.c, pela civilização Nazca. No local, o solo deserto foi artisticamente coberto por desenhos de mamíferos, insetos e divindades. Entre as figuras, é possível identificar beija-flor, aranha, condor e macaco, dentre outras.

As linhas de Nazca, como os desenhos são denominados, foram descobertas em 1927, quando o piloto Toribio Mejia Xespe sobrevoava a região. A partir daí, estudiosos, historiadores e arqueólogos começaram a explorar as terras, consideradas patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO, desde 1994.

O local concentra mais de 13 mil traços e 800 figuras, que ultrapassam 65 quilômetros de extensão. Todos os desenhos podem ser vistos com maiores detalhes quando sobrevoados a uma altitude de pelo menos 1500 pés.

Seriam desenhos religiosos, culturais ou alienígenas? O mistério que dura anos já recebeu várias teorias. Uma delas é da pesquisadora alemã María Reiche. Ela dedicou sua vida aos estudos sobre as linhas de Nazca. Sua conclusão foi de que os traços faziam parte de um enorme calendário astronômico, em que os números significavam as fases solares.

Mas como os desenhos permaneceram visíveis por tanto tempo? Reiche foi a precursora na descoberta da técnica dos antepassados, a de escavar o chão seco e cobrir os traços com pedras. O gesso natural existente na região, o clima, a ausência de vento e chuvas contribuíram para preservação dos desenhos, que são observados até hoje por turistas e estudiosos em busca de informações e novas descobertas.

Parece que os arqueólogos descobriram como foram feitos os desenhos, mas para que as linhas de Nazca serviram? Uns dizem ser rituais para a fertilidade, enquanto outros dizem ser pistas para aeroportos antigos para alienígenas. Será? A verdade é que ainda faltam evidências concretas e as suposições seguem incertas até o momento.

Confira as linhas de Nazca na galeria e compartilhe com a gente a sua opinião:

Águia
Águia
« 1 de 6 »

Para conhecer o destino e sobrevoar a cidade de Nazca é possível passando pela vizinha Cahuachi, à 30 Km de distância. Em Cahuchi estão as famosas pirâmides e o Museu Didático Antonini, com peças da cultura Nazca.

Últimas notícias e novas figuras encontradas em Pampa de Nazca

Este ano, arqueólogos peruanos, junto com o apoio da revista National Geographic e outros pesquisadores internacionais descobriram mais 50 figuras localizadas em Pampa de Nazca, zona costeira de Paraca, ao sul do Peru. Segundo os pesquisadores esses desenhos são ainda mais antigos do que os primeiros e são da cultura Paracas, povoado que viveu na região há mais de 2,7 mil anos.

Essas figuras representam além de animais, humanos. Algumas demonstram o humano como um guerreiro perto de um animal. Situadas nas encostas das montanhas, esses desenhos podem ser vistos de perto também, diferente dos anteriores, que só é possível ver nitidez quando avistados de cima, por estarem desenhados na planície.

Como eles faziam para enxergar os desenhos depois de prontos? Como eles dimensionavam a imagem a ser desenhada? Permanecem os mistérios…

Leia também: 3 destinos e suas lendas misteriosas

Viajar para América do Sul é uma opção interessante e barata e você pode contar com a proteção do Seguro Viagem Allianz.

Veja no vídeo abaixo o acidente que aconteceu com o João, quando percorria a Garganta do Diabo, no Deserto do Atacama, no Chile. Mas o Seguro Viagem Allianz ajudou e ele não precisou interromper seu mochilão. Faça como João e cote agora o Seguro Viagem ideal para suas viagens. Clique aqui!
Seguro Viagem Allianz com desconto

Fontes: www.visiteperu.com.br / www.ancient-origins.net / www.revistagalileu.globo.com

Posts relacionados

Juliana Fernanda

Juliana Fernanda dos Santos Ferreira, jornalista pós-graduada em Comunicação Corporativa. Adoro novidades com conteúdo. Passear em família é a melhor programação, afinal todo lugar tem algo a se aproveitar e em boa companhia tudo fica ainda melhor.

COMENTÁRIOS