Sidnei Vasques viajou em junho para o Canadá e trouxe dicas de pontos interessantes para quem curte uma viagem trekking, em meio a natureza

 O Para Onde For traz nessa matéria dicas de lugares mágicos para você conhecer durante uma viagem ao Canadá. Os cenários que vamos apresentar nesse post são de tirar o fôlego. Quem teve o privilégio de pisar nesse pedacinho de mundo abençoado foi nosso amigo Sidnei Vasques, que passou 14 dias de férias junto com a sua namorada, a psicóloga Tatiane Cabral.

Sidnei e Tatiane, no Johnston Canyon, no Canadá

Junho, o mês escolhido para a viagem, marca o fim da primavera e início do verão no Hemisfério Norte. Então, não está nem muito frio, nem muito quente e, principalmente, não é época de chuva. “Como prezamos mais por conhecer lugares à céu aberto, na natureza, esse clima foi perfeito porque pegamos dias claros, ensolarados e bonitos”, indica Sidnei.

A viagem contemplou seis cidades do Canadá: Calgary, Banff, Kelowna, Whistler, Victoria e Vancouver. Em Calgary, o casal se hospedou no hotel Ramada Encore; em Banff, optaram pelo hostel chamado Samesun, no centro da cidade. Em Kelowna, os dois ficaram em uma acomodação que fica no campus de uma das maiores universidades do Canadá, a BC University. Já em Vancouver ficaram na casa de um primo de Tatiane. Em Whistler e Victoria só foram de passagem.

Promoção especial Dia do Amigo – Aqui no Blog você conta com desconto especial do Dia do Amigo (20/07), de 35%OFF no Seguro Viagem Allianz, tanto para viagens nacionais quando para internacionais. Utilize o cupom AMIGO35 e ganhe na hora seu desconto, válido apenas para os dias 20, 21 e 22 de julho de 2018. Não Perca!

Pegue seu desconto aqui!

Confira o roteiro de 14 dias no Canadá

Organização é uma das coisas mais importantes para otimizar o seu tempo durante uma viagem. Sidney utiliza o google maps para traçar seus roteiros e organizar os pontos turísticos que deseja visitar. Confira aqui o mapa que ele fez para sua viagem ao Canadá.

Calgary

“Em Calgary ficamos apenas um dia e conhecemos o principal ponto turístico, a Calgary Tower, uma torre panorâmica bem alta e com visão de 360° de toda a região, e também a Lougheed House, uma mansão construída no século 19 por uma família bastante tradicional na época e que ajudou muito no desenvolvimento da cidade”, indica Sid.

– Calgary Tower

– Lougheed House

Banff

Jhonston Canion

“Em Banff, ficamos 4 dias e é uma cidade que fica próxima às montanhas rochosas do Canadá. Por lá, reservamos tempo para fazer duas trilhas, uma no Johnston Canyon, uma espécie de desfiladeiro com um rio de cor turquesa entre os paredões rochosos. A outra trilha foi a Bee Hive Mountain, que se inicia no Lago Louise, um dos mais famosos do país, e também percorre outros lagos como o Mirror lake e o Agnes Lake e acaba numa casa de chá no topo da montanha.

Além das trilhas, também visitamos em Banff o Moraine Lake, A Sulphur Mountain onde está localizado uma das maiores (se não a maior) gôndola do país, o Vermillion Lake, o Fairmont Spring Hotel Banff e o Lake Minnewanka. Além do centro da cidade que é uma atração à parte e muito interessante”, conta Sid.

– Johnston Canyon

– Bee Hive Mountain

– Moraine Lake

– A Sulphur Mountain

Tatiane, no lago Agnes Lake

Kelowna

“Em Kelowna também passamos apenas 1 dia, pois, o objetivo foi ir de carro de Banff até Vancouver, o que dá aproximadamente 1000 km e 10 horas de viagem, e Kelowna fica no meio desse trajeto. O principal ponto turístico de lá são as vinícolas e a chance de experimentar vinhos produzidos por produtores locais”, recomenda.

Whistler

A cidade de Whistler, que é muito conhecida e visitada por quem pratica esportes na neve como esqui e snowboard. Também é uma cidade montanhosa e com uma estrutura muito boa para quem deseja explorá-las.

“Ao subir a Blackcomb Mountain, também de Gôndola, visitamos os paredões de gelo, que tem de 4 a 5 metros de altura e forma uma espécie de glacial. Para nossa surpresa e sorte, estava nevando muito por lá, o que já não é muito comum nessa época. A cidade de Whistler foi uma das cedes das olimpíadas de inverno de 2010 e há vários monumentos relacionados ao evento”, explica Sidnei.

Victoria

A cidade de Victoria, a capital da província de British Columbia. Existe uma influência britânica muito forte e presente na arquitetura, nos jardins amplamente espalhados e hábitos da cidade.

“Visitamos o prédio do Parlamento, que é o ponto turístico mais famoso da cidade, mas vale também a visita no Fisherman’s Wharf, uma vila de pescadores muito antiga e que hoje virou uma espécie de centro comercial tradicional, onde tem artesanato, músicas típicas ao vivo e vários restaurantes com pratos locais. Na cidade de Victoria, é muito comum ter passeios de barcos para procurar baleias Orcas nos arredores, mas esse não fizemos”, comenta Sid.

– Prédio do Parlamento

– Fisherman’s Wharf

Vancouver

“Em Vancouver, visitamos a praia Kitsilano e também a English Bay, que é uma praia bem bonita e a mais famosa da cidade. O Canada Place, que é o principal porto da região, a Granville Island, onde encontramos um centro comercial contendo uma espécie de “mercadão”, com iguarias e itens muito típicos do Canadá, Gastown, o bairro onde o desenvolvimento da cidade começou e tem vários prédios antigos, o Science World, o Queen Elizabeth Park e o Stanley Park que é um parque enorme (bem comum as pessoas se perderem lá dentro) e muito lindo, vale a pena alugar uma bike para passear por ele e por toda a cidade que é muito receptiva para esse meio de transporte.

O Estádio do Whitecaps, time de futebol de lá é um lugar bacana para visitar e comer um hot dog. E por último, mas não menos interessante, o centro da cidade que conta com diversas ruas lindas com comércio de todos os tipos e muita coisa para conhecer.

Ainda em Vancouver, fomos até North Vancouver, que não é uma região de Vancouver, mas uma outra cidade ao norte. Por lá, pudemos fazer a trilha da Grouse Mountain, que também conta com uma Gôndola para quem não quer gastar 2 horas morro acima, a Deep Cove, uma outra montanha com uma trilha menor, e depois fomos para a ponte Capilano, bem famosa também, mas que eu não gostei tanto por estar muito cheia de turistas”, detalha Sidnei

– Praia Kitsilano

– English Bay

– Canada Place

– Granville Island

– Science World

– Queen Elizabeth Park

– Stanley Park

– Estádio do Whitecaps

– North Vancouver – Grouse Mountain, Deep Cove e ponte Capilano.

English Bay

Entre os lugares que Sidnei e sua namorada mais gostaram foi a cidade de Banff e Calegary. “Sem dúvidas quero voltar para a cidade de Banff no inverno, para visitar os lagos, principalmente o Moraine Lake que com a neve e o gelo, torna a paisagem totalmente diferente do que vemos no verão, parece outro lugar. Mas a cidade de Calgary me encantou também pela organização, beleza e atrações”, explica Sidnei.

Restaurante:

– Craft Beer Market, em Calgary e Vancouver – É um bar/restaurante que oferece uma enorme variedade de cervejas, inclusive de produção local, além de pratos muito bem feitos e deliciosos, recomendo muito.

#DicadeViajante: “O Canadá é um país muito extenso e em cada lugar tem coisas incríveis para conhecer, me parece injusto se restringir a apenas um local ou cidade. Vale a pena ir sem pressa, com vários dias e alugar um carro e dirigir pelas ótimas rodovias do país, visitar os lagos, as montanhas, as praias e cidades”, ensina Sidnei.

#Curiosidades:

  1. Sol até 22h – “Mal vimos a noite durante a viagem, isso porque no verão, o dia começa a escurecer somente após as 22h e às 5h já está claro”, conta ele.
  2. Lixeiras protegidas contra ursos – “Em algumas cidades, como Banff, North Vancouver e Whistler, as lixeiras de rua tem um mecanismo que só os humanos conseguem abrir, pois é comum os ursos aparecerem nas cidades para procurar comida, aliás, no início do verão é comum vê-los por aí”, destaca.
  3. Cidade com ingresso para entrar – “A cidade de Banff fica dentro de um parque natural e protegido, é necessário adquirir uma espécie de autorização para frequentar. Você paga pela quantidade de dias que ficará e custa algo em torno de $9, por pessoa”, conta.

Seguro Viagem – “Contratei o Seguro Viagem Allianz! Quando viajo gosto de explorar bastante a natureza e fazer trilhas, e isso é muito fácil no Canadá já que tem em abundância. Além do mais, vai que eu encontrasse algum urso na trilha =D até encontramos, mas estávamos no carro”, brinca Sidnei, que recomenda o Seguro para proteger seus momentos de férias.

Faça aqui a cotação do Seguro Viagem Allianz.

Quanto custa uma viagem de 14 dias para o Canadá?

“Para mim é um investimento e foi algo em torno de R$7 mil cada pessoa, para uma viagem sem luxo, mas confortável. Comemos bem, compramos vários presentinhos e visitamos tudo que planejamos”, calculou Sidnei.

 

Gostou dessas dicas? O Canadá é mesmo incrível, não é?! Planeje-se e faça como Sidnei, invista mais em viagens Seguras. Contrate o Seguro Viagem Allianz. Clique aqui!

Juliana Fernanda

Juliana Fernanda dos Santos Ferreira, jornalista pós-graduada em Comunicação Corporativa. Adoro novidades com conteúdo. Passear em família é a melhor programação, afinal todo lugar tem algo a se aproveitar e em boa companhia tudo fica ainda melhor.

COMENTÁRIOS