As paisagens do Deserto do Atacama na mira de um fotógrafo brasileiro

Ele é brasileiro, engenheiro e fotógrafo, reconhecido mundialmente pelas belas imagens de paisagens do mundo. Victor Grilo Lima conta sua experiência no Deserto do Atacama e indica os principais pontos turísticos do destino que o gratificou como 3º colocado mundial no concurso de fotografia da National Geographic.

Victor Lima na Laguna-Miniques

As lentes da câmera percorrem visuais exuberantes e revelam o que o mundo tem de mais interessante: as paisagens naturais. A partir de agora você vai conhecer algumas das fotos mais belas do Deserto do Atacama, no Chile, pelo olhar do premiado fotógrafo Victor Grilo Lima, especializado em fotografias noturnas (Astrofotografia de Paisagem).

A foto que garantiu o título de terceiro melhor fotógrafo de viagens do mundo, pela National Geographic, em 2016, foi tirada na Laguna-Baltinache. “Escolhi o Deserto do Atacama no Chile pelo fato deste lugar ser um dos melhores do mundo para a observação das estrelas e do céu noturno”, afirma Victor Lima, de 42, que além de fotógrafo é engenheiro civil.

Imagem da Laguna Baltinache, 3ª colocada no concurso 2016 National Geographic Travel Photographer of the Year

Ao todo, foram 12 dias de expedição pelo Deserto do Atacama e vários cliques, acompanhado de um guia local, em abril de 2016.

“O mês de abril é excelente. Por ser meia estação, as temperaturas estão mais amenas e os valores de hospedagem estão mais atrativos. No inverno costuma nevar nas regiões mais altas do Deserto (4300 metros de altitude) e algumas estradas podem estar fechadas por este motivo. No verão pode chover, apesar de estarmos falando do deserto mais árido do mundo, e o acesso a alguns lugares pode ser dificultado por isso”, comenta Victor

Apesar de ser um Deserto, o Atacama está situado acima dos 2800 metros de altitude. Sendo assim, as temperaturas registradas no local são bem mais amenas do que em outros desertos. Nos passeios pela Cordilheira dos Andes é possível pegar temperaturas abaixo dos 0º C, dependendo do horário.

San Pedro de Atacama é a cidade “base” para quem vai visitar o Deserto do Atacama. Apesar de pequena, conta com uma rede de hotéis e hospedarias que vão desde as mais simples até  grandes hotéis 5 estrelas. A partir dali partem os passeios para visitar as principais atrações da região. “Fiquei hospedado em San Pedro de Atacama e aluguei um veículo para fazer os passeios”, explica Victor.

Também há várias opções de agências de turismo, com saídas diárias para todos os atrativos da região e estrutura confortável. Os principais lugares ficam dentro de reservas nacionais do Chile e é cobrado ingresso na entrada.

Confira os principais pontos turísticos indicados por Victor:

Laguna Chaxa – A Laguna Chaxa fica no meio do Salar do Atacama e é conhecida pela grande concentração de Flamingos que vão até lá para se alimentarem. “O lugar é lindo e tem uma visão privilegiada da Cordilheira dos Andes e os seus vulcões. A minha visita lá foi rápida. Avistei alguns Flamingos – nesse dia não havia muitos – e depois fui para a Laguna Tebenquinche para ver o por-do-sol”, explica.

Laguna-Chaxa (Foto: Victor Lima)

Laguna Tebenquinche – A Laguna Tebenquinche também fica no Salar do Atacama e tem uma beleza única. Com uma visão privilegiada do vulcão Licancabur, conhecido pelos locais como o “protetor do deserto”, a Laguna Tebenquinche tem a fama de ser o melhor pôr-do-sol da região. “No dia em que estive lá o céu estava bem limpo e o pôr-do-sol foi fantástico”, afirma Victor e a gente comprova com essa linda imagem:

Laguna Tebenquinche (Foto: Victor Lima)

Lagunas Miniques e Miscanti – Também conhecidas como Lagunas Altiplanicas, essas lagoas ficam na Cordilheira dos Andes, aos pés dos vulcões de mesmo nome. “Esse é um dos mais belos lugares onde eu já estive na minha vida. As lagoas refletem o azul profundo do céu do Atacama, assumindo uma tonalidade azul turquesa”, declara.

Laguna-Miscanti (Foto: Victor Lima)

Geiseres El Tatio – É o maior campo geotermal da América do Sul e o 3º maior do mundo. Eu estive lá logo ao amanhecer e quando o sol atinge o solo, os gêiseres começam a expelir vapor d’água a uma altura próxima de 10 metros. Antes do nascer do sol faz bastante frio e é importante ir bem agasalhado nesse local.

Lagunas Baltinache (local da foto premiada) – Trata-se de um grupo de 7 pequenas lagoas de água verde esmeralda que surgem no meio do Salar do Atacama. É um daqueles lugares que fazem você pensar que está em outro planeta. O chão é formado por cristais de sal brancos como a neve, contrastando com tonalidade esverdeada das águas transparentes das lagoas. Eu passei a noite fotografando nesse lugar e tive a felicidade de ter uma das imagens feitas ali escolhida como uma das vencedoras do concurso 2016 National Geographic Travel Photographer of the Year.

Piedras Rojas – Nesse lugar você, definitivamente, pensa estar em outro planeta. O chão é formado por rochas vulcânicas de cor vermelha e o horizonte é tomado por vulcões e montanhas de cor zinza escura, além de um lago de tonalidade esverdeada que corta o terreno. Eu passei a noite acampado nesse local para fotografar a nuvem da Via Láctea. Estando a 4300 metros de altitude e distante 150 km de San Pedro de Atacama, foi ali que vi um dos céus noturnos mais lindos da minha vida.

Laguna Tuyajto – A laguna Tuyajto fica bem próxima à Piedras Rojas. Essa lagoa fica parcialmente seca durante o ano e, com isso, mostra o seu fundo, que é formado por sal. Em toda a sua extensão aparecem pequenas formações que lembram cogumelos, só que de sal. Segundo informações, essas formações são devidas a ação de micro-organismos que se alimentam dos nutrientes presentes na água dessa lagoa. Eu estive lá durante o pôr-do-sol. Foi um espetáculo de cores no céu!!

Laguna-Tuyajto (Foto: Victor Lima)

Salar de Tara – O Salar de Tara fica acima dos 4300 metros de altitude e é um lugar que redefine a sua noção de dimensão e espaço. Além das formações rochosas conhecidas como Catedrais de Tara, do alto das suas montanhas você pode visualizar o deserto em toda a sua plenitude. Vulcões, lagoas de água salgada, formações rochosas “extraterrestres” e um dos céus mais impressionantes do planeta. “Eu passei a noite acampado nesse lugar e fiz algumas imagens que foram publicadas pela National Geographic”, comenta.

O brasileiro, nascido no Espirito Santo e residente em Salvador – Bahia, destaca o destino como um marco para toda a sua vida. “Essa viagem como um todo foi muito significativa para mim. O lugar é maravilhoso! Todo mundo tem que conhecer antes de morrer”, brinca.

A viagem, A foto e O título mundial: “Enfrentei desafios que me fizeram crescer como pessoa e conquistei reconhecimento internacional pelo trabalho ali realizado, sendo premiado com o 3º lugar no concurso 2016 National Geographic Travel Photographer of the Year, que é um dos principais concursos de fotografia do mundo”, alegra-se Victor e todos nós brasileiros que torcemos uns pelos outros.

Indicações do Victor para uma viagem econômica ao Deserto do Atacama:

Passagens: Site da Latam

Hospedagem: Reservas pelo Booking, no Hostal Miskanti, em San Pedro do Atacama. “É uma hospedaria simples mas fui muito bem tratado lá”, Indica Victor aos turistas que procuram uma hospedagem mais econômica.

Seguro Viagem: “Fiz o seguro por que sabia que estaria me expondo a condições adversas (altitude, frio e etc.) durante a expedição e precisava de segurança para isso”, recomenda Victor, que apesar das dificuldades de clima e condições adversas não precisou acionar o Seguro.

>>>Faça seu Seguro Viagem com 20% de desconto, use o cupom promocional PARAONDEFOR<<<

Conheça o trabalho de Victor Grilo Lima no site  www.thebrazilianlandscape.com, no Instagram: @victorlimaphoto e no Facebook: www.facebook.com/victorlimaphoto/

Juliana Fernanda

Juliana Fernanda dos Santos Ferreira, jornalista pós-graduada em Comunicação Corporativa. Adoro novidades com conteúdo. Passear em família é a melhor programação, afinal todo lugar tem algo a se aproveitar e em boa companhia tudo fica ainda melhor.

COMENTÁRIOS